Alunos e professores do Go Code Games no dia da apresentação dos trabalhos Foto: Divulgação

Alunos e professores do Go Code Games no dia da apresentação dos trabalhos Foto: Divulgação

Cinco semanas de aulas sobre jogos digitais foram suficientes para que os alunos do Go Code Games pudessem criar protótipos de jogos já na primeira edição do curso. A última sexta-feira (16) foi o grande dia: apresentar suas próprias criações a uma banca especializada que os avaliou atentamente. O Go Code Games é um projeto da Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho em parceria com a Unisinos Porto Alegre e apoio da Nano Biz Tools. Nele, 14 estudantes da rede pública de ensino, que também são ex-alunos do Go Code Porto Alegre, puderam aprender introdução ao desenvolvimento de games.

O conhecimento adquirido durante o ano no Go Code 2016, curso de duração de sete meses, no qual os alunos aprenderam a programar em linguagem Java e criaram aplicativos para celular, contribuiu com o que precisavam para se aventurarem no universo de games.  Em cinco semanas, os alunos adquiriram a habilidade de programar por meio da plataforma Unity e criaram modelos de jogos do tipo arcade, inspirados em clássicos como River Raid e Space Invaders.

Os alunos criaram protótipos de jogos do tipo arcade / Foto: Divulgação

Os alunos criaram protótipos de jogos do tipo arcade / Foto: Divulgação

Os alunos se organizaram em grupos de três e quatro membros para criar os os protótipos de games. A banca avaliadora era composta por três especialistas na área de programação e games: o professor Fernando Marson, Carlos Idiart, Presidente da Associação de Desenvolvedores de Jogos Digitais do RS e co-criador da Nano Biz Tools, e João Ricardo Bittencourt, professor do curso de Jogos Digitais da Unisinos. Todos fizeram suas considerações, todas muito positivas sobre os jogos apresentados.

Fernando Marson salientou a importância de descomplexificar a programação, fomentando o mercado do RS: “A experiência de criação dessa parceria do Go Games é super importante para primeiro fazer com que a indústria se fortaleça, mostrando que é possível desenvolver jogos antes de cursar o ensino superior. Para nós, professores, é muito rico ver esse pouco tempo de desenvolvimento e o quanto isso pode gerar de produto, efetivamente”.

Os alunos encerraram mais um ciclo de aprendizado  na área de programação e seguem incentivados a continuar criando depois do curso. Lucas Schneider ficou contente com o que pode produzir no curso: “O primeiro Go Code Games foi uma ótima oportunidade e muito bem organizado. Pelo pouco tempo que tivemos, fomos direto à prática desta vez, e foi muito bom!”, salienta o aluno Lucas Schneider.